Artigo

Leonardo DiCaprio reage a acusações de assédio sexual contra o produtor Harvey Weinstein

O ator trabalhou em vários filmes importantes do produtor agora caído em desgraça após várias acusações de assédio sexual.

Leonardo DiCaprio reagiu às alegações de assédio sexual que envolvem o produtor Harvey Weinstein e agitam o mundo de cinema há vários dias.

"Não existe qualquer desculpa para assédio ou ataque sexual — não interessa quem se é e não interessa qual a profissão. Saúdo a força e coragem das mulheres que deram a cara e fizeram-se ouvir, afirmou o ator em comunicado.

DiCaprio entrou em vários filmes importantes das produtoras de Weinstein, incluindo "Gangs de Nova Iorque" (2002), "O Aviador" (2004) e "Django Libertado" (2012).

Harvey Weinstein foi despedido da produtora Weinstein Co no domingo, após um artigo do The New York Times de quinta-feira revelar vários casos de assédio sexual ao longo de décadas, incluindo o de Ashley Judd, bem como o pagamento a pelo menos oito mulheres para evitar processos em tribunal, nomeadamente à atriz Rose McGowan.

Entre as estrelas que expressaram o seu choque com as acusações e condenaram as ações estão Meryl Streep, Jennifer Lawrence, Cate Blanchett, George Clooney, Kate Winslet, Brie Larson, Glenn Close e Judi Dench.

O antigo presidente dos EUA Barack Obama e a esposa também lançaram um comunicado condenando aquele que foi um dos seus antigos financiadores de campanhas políticas.

Na terça-feira, surgiram novos relatos de assédio envolvendo atrizes como Gwyneth Paltrow e Angelina Jolie, enquanto Mira Sorvino e Rosanna Arquette são citadas numa investigação explosiva do New Yorker que relata ainda três violações, incluindo a da atriz e realizadora italiana Asia Argento.

Weinstein nega partes deste último artigo e insiste que as relações sexuais foram consensuais. A sua esposa, Georgina Chapman, anunciou a separação ao fim do dia.

Comentários