Artigo

"Todo o Dinheiro do Mundo": Depois de Kevin Spacey, agora a polémica é salarial

Ridley Scott voltou a filmar cenas do seu filme com Christopher Plummer depois de Kevin Spacey ser acusado de abuso sexual e disse que os atores trabalharam de graça. A verdade foi bem diferente e Mark Wahlberg e Michelle Williams foram tratados de forma muito diferente.

É uma das histórias mais incríveis de 2017: quando Kevin Spacey foi acusado de assédio de menores na grande onda de revelações de escândalos sexuais que envolve Hollywood desde o início de outubro, Ridley Scott sabia que tinha de cortá-lo do seu novo filme, "Todo o Dinheiro do Mundo".

O realizador entrou em ação e filmou novamente partes com um novo ator, Christopher Plummer, para cumprir a data anunciada para a estreia nas salas de cinema.... dali a seis semanas.

Isso só foi possível com uma complexa coordenação de meios técnicos e artísticos, incluindo a disponibilidade das estrelas principais, Michelle Williams e Mark Wahlberg, que, explicou, além de que abdicaram do período festivo do "Thansksgiving" [Ação de Graças] com as famílias para regressar à Europa e salvar o filme, o fizeram de forma altruísta: "Todos fizeram-no por nada. Vieram todos de graça". Acrescentou que só Christopher Plummer e a equipa técnica é que receberam salários.

Afinal, a história verdadeira não é bem assim. O custo adicional das refilmagens ficou em 10 milhões de dólares e segundo o USA Today, que ouviu três fontes diferentes, a equipa de Mark Wahlberg negociou um pagamento adicional de 1,5 milhões [1,25 milhões de euros], enquanto Michelle Williams recebeu... 80 dólares por dia [66,8 euros].

Ver artigo completo

Comentários