Artigo

Mônica Iozzi revela detalhes da sua preparação para o papel em ‘Vade Retro’

Celeste tem um andar despretensioso, meio doce, meio atrapalhado. É conhecida por ter sido beijada, ainda bebé, pelo Papa João Paulo II, numa das visitas do Pontífice ao Brasil. Assim é a primeira protagonista que Mônica Iozzi interpreta na TV.

Mônica Iozzi

créditos: ramón vasconcelos 2015

“Para falar de maneira geral, a Celeste é uma pessoa boa, tem valores, tem ética, mas é ambiciosa. A grande questão é o quanto a gente cede às tentações da vida. Por mais que seja correcta e generosa, ela acaba se perdendo. Às vezes, a vaidade cega”, comenta a atriz de ‘Vade Retro’, actualmente em exibição no Globo Premium às quintas-feiras, às 21h50.

Conhecemos a advogada num momento que não é lá dos melhores: enfrentando uma crise no escritório de advocacia que não tem clientes e ainda aguentando a mãe hospedada na sua casa, por um período maior do que o previsto. Nem o relacionamento com o namorado, Davi (Juliano Cazarré), é capaz de animar a moça. Mas a chegada de Abel Zebul (Tony Ramos), um misterioso empresário, chocalha a sua vida, e ela acaba por deixar-se levar pela sua lábia.

Para a sua preparação, Monica explica que procurou contar a história da personagem sem se preocupar com o peso atribuído a um protagonista. "Eu fiquei nervosa e ansiosa, por ser um trabalho com um elenco sensacional, com pessoas que eu admiro há bastante tempo", diz ela, referindo-se aos colegas de cena da trama, como Tony Ramos, Maria Luisa Mendonça, Cecíclia Homem de Mello, Juliano Cazarré e Luciana Paes. Sem perder o lado irreverente, a actriz brinca: "A Maria Casadevall não, porque a gente tem a mesma idade e eu estaria chamando ela de velha, né?", brinca. "Não parei para pensar no facto de ser protagonista. Senti-me num trabalho tão colectivo, que esqueci totalmente dessa questão do protagonismo. É a história de todo mundo que se confronta com uma personalidade como a do Abel", completa a actriz.

Em relação a Tony Ramos, essa é a primeira vez que ele e Monica  actuam juntos num trabalho. Sobre a experiência lado a lado com uma das suas referências profissionais, a morena é enfática: "As pessoas podem achar clichê, mas contracenar com ele é inacreditável. Ele é muito generoso!". Como prova disso, a actriz conta o que ouviu do actor, após ficar chateada e insatisfeita com seu desempenho durante uma gravação. "Eu fiquei 'amuadinha', porque achei que podia ter feito melhor uma cena, então ele percebeu e veio conversar", relata ela, que conta sobre o conselho recebido: "Ele disse-me ‘a gente sempre vai achar que pode ser melhor, eu tenho 52 anos de profissão e ainda não tenho segurança no que estou fazendo. O dia que você sentir que está muito segura, é porque está começando a ir pelo caminho errado.’ Esse é o Tony Ramos!".

Monica ainda reforça as qualidades do colega: “Ele é um ser humano muito especial, você não diz nunca que ele é um grande astro da televisão, conhecido no país inteiro, com um monte de prémios. Ele é extremamente simples, supercarinhoso, companheiro. Nas primeiras semanas de preparação, ele deixou-me tão à vontade, tão sem medo, sentindo-me bem-vinda. E a generosidade dele está nisso. Ele não guarda para ele o que sabe, compartilha".

Versátil como artista e apaixonada pelo posto de apresentadora, Monica é grata pela passagem pelo ‘Vídeo Show’, mas agora procura o reconhecimento na dramaturgia: “Nos últimos tempos, fiquei muito marcada como apresentadora, que foi uma delícia, vou amar sempre. Mas acho que as pessoas vão se surpreender antes de mais nada. Tomara que seja positivamente. Sempre dizem: 'Nossa, ela é actriz, mas ela não era apresentadora?'".

A quase um mês do final de ‘Vade Retro’, Monica Iozzi convida os telespectadores a não perderem o desfecho de Celeste. “Vocês vão perceber que a série vai ficando cada vez mais pesada. O único spoiler que eu posso dar é esse. O humor vai diminuindo e vai ficando mais “heavy””, revela.

Comentários