Foram anunciadas as nomeações para os prémios do Sindicato de Realizadores de cinema, televisão e publicidade nos EUA (DGA).

Os realizadores escolhidos são Bradley Cooper ("Assim Nasce Uma Estrela"), Alfonso Cuarón ("Roma"), Peter Farrelly ("Green Book"), Spike Lee ("BlacKkKlansman: O Infiltrado") e Adam McKay ("Vice").

Bradley Cooper surge também na corrida na categoria reservada a realizadores que se estreiam em longas-metragens de ficção, onde estão ainda Bo Burnham (“Eighth Grade”), Carlos Lopez Estrada (“Blindspotting: À Queima-Roupa”), Matthew Heineman (“Uma Guerra Pessoal") e Boots Riley (“Sorry to Bother You”).

As escolhas do Sindicato dos Realizadores, analisadas com as do Sindicato dos Produtores, anunciadas dia 4, indicam o mais provável grupo nesta temporada de prémios que irá culminar nos Óscares: "Assim Nasce Uma Estrela", "BlacKkKlansman: O Infiltrado", "Green Book", "Roma" e "Vice".

Os prémios dos realizadores têm sido um dos melhores prognosticadores dos Óscares, ainda que mais de 16 mil membros votem nos DGA e pouco mais de 500 formem o grupo na Academia: apenas sete vencedores não conquistaram a seguir a estatueta dourada.

Embora só por cinco vezes as nomeações do Sindicato dos Realizadores tenham coincidido a 100% com as dos Óscares desde 1970, quando ficou definido que seriam cinco eleitos na categoria, nos sete anos em que as escolhas dos premiados divergiram, os realizadores que ganharam o Óscar tinham sido nomeados pelos DGA.

Vários realizadores e os seus filmes ficaram assim prejudicados pela ausência das nomeações conhecidas esta terça-feira, entre eles Ryan Coogler ("Black Panther"), Yorgos Lanthimos ("A Favorita"), Barry Jenkins ("Se Esta Rua Falasse) e Damien Chazelle ("O Primeiro Homem na Lua").

Os premiados serão conhecidos numa noite de gala a 2 de fevereiro.