O criador da personagem Thanos e várias da saga "Guardiões da Galáxia" saiu em defesa de James Gunn, o realizador dos dois filmes despedido pela Disney após serem recuperadas mensagens controversas antigas no Twitter que faziam piadas com pedofilia e violação.

"Depois de dar dois dias para pensar sobre esta controvérsia James Gunn/Disney, cheguei à conclusão que o Rato [Disney] foi enganado", escreveu Jim Starlin.

O influente autor de banda desenhada tanto na Marvel como na DC Comics explica a posição: "Sim, as mensagens de Gunn com uma década foram de mau gosto e estúpidas, mas claramente pretendiam ser pateticamente provocadoras e não tomadas como apoio [à pedofilia e violação]. Todo o alvoroço sobre elas foi claramente planeado por dois homens de mão da Breitbart [site de extrema direita], John Nolte e Mike Cernovich, em reação ao despedimento da Rosanne Barr pelos seus sistemáticos tweets cheios de ódio e racismo. Nisto tenho de concordar com o Dave Bautista [o ator que interpreta Drax nos filmes]. A Disney aceitou equiparar coisas diferentes e tomou uma péssima decisão."

Desde a demissão de James Gunn na sexta-feira várias personalidades saíram em defesa do realizador e uma petição online que começou no fim de semana a pedir o seu regresso à Marvel já superou as 255 mil assinaturas.

Chandler Edwards, o criador, escreveu que "sou esperto o suficiente para saber que isto não vai provavelmente mudar nada, mas espero que faça a Disney perceber o erro que cometeu, e não cometer o mesmo erro novamente."

"Concordo com a ideia de que se alguém diz uma série de coisas estúpidas enquanto trabalha para o estúdio, este tem todo direito de o despedir por causa da possível controvérsia. No entanto, esta situação é muito diferente porque as piadas foram feitas antes de ele trabalhar para a Disney e também pelo facto de que eram piadas. Concordo com a maioria, incluindo o próprio Gunn, de que as piadas foram péssimas e sem graça, mas ainda eram piadas, não era uma opinião ou uma declaração, era só uma má tentativa de ser engraçado", acrescenta o texto.

Por seu lado, o realizador descreveu as mensagens como "piadas chocantes" num primeiro pedido de desculpas e após ser conhecida a decisão do estúdio como "esforços totalmente fracassados e infelizes para serem provocadores"."Arrependi-me deles desde há muitos anos - não apenas porque eram estúpidos, nada engraçados, "descontroladamente insensíveis, e certamente não provocadores como esperava, mas também porque não refletem a pessoa que sou hoje ou que tenho sido há algum tempo", salientava em comunicado.

Vários atores de "Guardiões da Galáxia" manifestaram, de forma mais ou menos direta, o apoio a James Gunn, desde Chris Pratt (Peter Quill/Star-Lord), a Zoe Saldana (Gamora), Michael Rooker (Yondu Udonta), Karen Gillan (Nebula) e Pom Klementieff (Mantis).

O mais contundente nas redes sociais na defesa do realizador tem sido Dave Bautista (Drax), tanto numa série de mensagens como a destacar artigos na comunicação social contra a decisão da Disney.

"Vou ter mais a dizer, mas por agora tudo o que vou dizer é isto. O James Gunn é uma das pessoas mais amorosas, atenciosas e boas que já conheci. É gentil e afável e preocupa-se profundamente com as pessoas e animais. Cometeu erros. Todos nós os fazemos. NÃO estou OK com o que lhe está a acontecer".

"O que vão fazer quando os cybernazis vos atacarem? Quem vai ficar do vosso lado? Quem vai cobardemente se distanciar? Quem vos irá punir pelas PIADAS horríveis no passado em vez de vos defender por INSPIRAREM milhões? MILHÕES!!!"

"O que aconteceu aqui é muito maior do que 'Guardiões da Galáxia 3', James Gunn, eu, a Disney, etc. Este foi um ataque cybernazi que teve sucesso. A menos que comecemos a unir-nos contra esta porcaria, quer as pessoas estejam ofendidas ou não... vai ficar muito pior. E isto pode acontecer a qualquer um."

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.