«A Liar's Autobiography: Volume VI» é o título da autobiografia de
Graham Chapman, o falecido membro do grupo de humoristas britânico
Monty Python, publicada em 1980 e que acaba de ser adaptada ao cinema, num filme de animação com produção e realização de Ben Timlett, Jeff Simpson e Bill Jones, este último filho de
Terry Jones e autor da série documental
«Monty Python: Almost the Truth».

A ideia inicial do trio era, efetivamente, fazer um documentário convencional, até se descobrir uma gravação integral do livro pela voz do próprio Chapman, registada de enfiada numa noite no estúdio de um amigo, Harry Nilson.

Rapidamente, a ideia de um filme em animação tomou forma, assente nas gravações de Chapman, com a participação vocal de outros membros dos Monty Python. Assim,
Michael Palin deu voz ao pai de Chapman,
Terry Jones fez a mãe e a sua própria voz,
Terry Gilliam fez várias vozes e
John Cleese gravou uma longa conversa que foi cruzada com a voz de Chapman, num diálogo em que ambos andam de bicicleta. Apenas
Eric Idle não terá participado no filme.

Para acelerar a produção, trabalharam no filme 15 produtoras de animação, que fizeram capítulos que vão de três a 15 minutos de duração, todos eles em estilos gráficos diferentes. «Criativamente, a diferença de estilos reflectirá os diferentes estágios da vida de Graham», disse o realizador Jeff Simpson ao «New York Times», «e também nos poupará bastante tempo».

Como o próprio título do livro sublinha, a relação entre os elementos autobiográficos que lá estão escritos e a realidade da vida de Chapman é bastante difusa. Quando foi questionado sobre o que havia de verdade no relato que o livro faz sobre as vicissitudes de Chapman na escola de medicina, os seus problemas com o alcoolismo ou o assumir da sua homossexualidade, Terry Jones respondeu, talvez com ironia: «Nada. É tudo uma mentira completa, absoluta e descarada. Não há ali uma única palavra que seja verdadeira».

Mesmo assim, Jeff Simpson assumiu, ainda o «New York Times», que há muita verdade nas entrelinhas do livro. «A história de Graham é a de um homem que era abertamente homossexual mas secretamente alcoólico», acrescentando que «isto não é a história dos Monty Python e sim da vida de um homem».

O filme já começou a fazer o circuito dos festivais de cinema e deverá estrear na Primavera de 2012. Os britânicos Monty Python são o grupo de humoristas mais influente na comédia dos últimos 40 anos, autores de uma série televisiva de grande sucesso entre 1969 e 1974 e de um conjunto de longas-metragens para cinema de enorme êxito, nomeadamente
«Monty Python e o Cálice Sagrado» (1975),
«A Vida de Brian» (1979) e
«O Sentido da Vida» (1983). O grupo era composto por
John Cleese,
Michael Palin ,
Terry Jones,
Eric Idle,
Terry Gilliam e
Graham Chapman, tendo este último falecido em 1989 vítima de cancro.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.