Martin Scorsese acha que os cinemas precisam de se impor e assumir a missão de mostrar filmes que contam histórias e não apenas os que define como "parques de diversão".

No início do mês, numa entrevista à revista de cinema Empire, o lendário realizador de “Taxi Driver” e “Touro Enraivecido” afirmara que os filmes da Marvel "não são cinema", comparando-os antes a "parques de diversão", onde os atores se safam como podem, o que provocou reações inflamadas não só de vários fãs dos filmes de super-heróis mas também de vários dos profissionais que neles trabalharam.

Este domingo, Scorsese carregou nas críticas durante uma conferência de imprensa ao lado de Robert De Niro e Al Pacino que antecedeu a exibição de "O Irlandês" na sessão de encerramento do festival de Londres do British Film Institute.

"Não é cinema, é outra coisa. Quer apreciem ou não, é outra coisa e nós não deveríamos ser invadidos por isso. E essa é a grande questão e precisamos que os donos dos cinemas se imponham e permitam às salas exibir filmes que são filmes narrativos", defendeu.

No sábado, o realizador tinha ido no mesmo sentido durante uma conferência organizada pela Academia Britânica de Cinema (BAFTA).

"As salas de cinema tornaram-se parques de diversão. O que está bem, mas não invadam tudo nesse sentido. É bom para quem gosta desse tipo de filme e, já agora, sabendo agora o trabalho que envolvem, admiro o que fazem. Simplesmente, não é o meu género de coisa. Está a criar outro tipo de público que acha que o cinema é aquilo", explicou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.