Bass não festeja o carnaval por motivos muito pessoais. “Vivi no Lubango uma experiência muito má e que me deixou muito traumatizado, e por essa razão não me sinto à vontade para festejar”, e acrescenta que aceitaria cantar numa festa carnavalesca, porém, não festeja.

 

Em 2005, na província  da Huíla, houve um despiste de um camião que provocou 20 mortos e 70 feridos entre a multidão que assistia ao desfile de Carnaval na cidade do Lubango, e Bass esteve presente nesse momento.

 

Para o artista os angolanos devem desenvolver, melhorar e personalizar ainda mais o carnaval nacional. “Só o Carnaval em si pode ser um isco para a diversificação da economia por ser também um chamariz turístico”, conclui.

 

Bass é mais um dos artistas a defender a importância de usar esta festa para benefício económico e de crescimento do país e como contributo para mostrar ao mundo a cultura angolana.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.