Com 11 títulos conquistados, em 33 participações, o grupo, fundado no início da década de 1980, altura em que os grupos Saidy Mingas e União Seguessa (extintos) eram as maiores referências do Entrudo local, detém a hegemonia na galeria dos vencedores do Carnaval de adultos no planalto central.

Este regresso, segundo o responsável, constitui a principal novidade da edição 2020 do Entrudo, cujo desfile, em adulto, acontece a 25 de Fevereiro, na cidade do Huambo, capital da província com o mesmo nome, com a participação de oito grupos, contra os três da edição passada.

O grupo "Fogo Negro" conquistou o seu último troféu em 2010, quatro anos antes da sua desistência, sendo na altura a maior atracção dos desfiles carnavalescos da província, não apenas pelos títulos já conquistados, mas também pelo número de foliões que levava consigo para o palco da exibição.

Detém igualmente o recorde do maior número de troféus consecutivos (seis), números que faziam dele um candidato antecipado em cada edição do Carnaval que participava.

Jeremias Nambongue Chissanga referiu que, além do Fogo Negro, prevê-se a participação dos grupos Okutuica, Velha Guarda, todos do município do Huambo, Ecos da Gruta (Cachiungo), Ovinjenje (Chinjenje), Wambo Calunga (Caála) e os restantes dois das municipalidades do Longonjo e Ucuma.

Na classe tradicional, o director do Gabinete local da Cultura, Turismo e Juventude e Desporto disse estarem previstos a participação de 12 grupos, sendo que dez já estão inscritos, em representação de nove, dos 11 municípios que compõe à província, excepto os da Caála e Chicala-Cholohanga, que ainda não realizaram a fase municipal.

O responsável disse ainda que para a classe infantil, com desfile marcado para 23 de Fevereiro, prevê-se a participação de 13 grupos.

Acrescentou que o desfile, tanto em infantil como em adultos, contará com a participação de oito grupos de animação que, em princípio, devem estar constituídos por artistas, desportistas, parteiras comunitárias, moto-taxistas, estudantes do Instituto Técnico Agrário, de efectivos das Forças Armadas Angolana e Polícia Nacional, entre outros.

Jeremias Piedade informou que a instituição trabalha, neste momento, na criação de condições para a realização, com êxito, do desfile provincial do Entrudo, com a mobilização de recursos financeiros e apoios junto dos parceiros e da classe empresarial, através da realização de actividades diversas, entre elas o colóquio sobre o carnaval.

Prémios ainda por definir  

Por outro lado, responsável realçou que a conjuntura económico-financeira que o país atravessa está a inviabilizar a definição dos prémios, por parte da comissão organizadora, aguardado pela disponibilização das verbas do Ministério da Cultura, do Governo local e de patrocinadores, a exemplo da empresa Cuca Nocebo.

Informou que a organização prevê atribuir para a classe A (adultos), um prémio aproximado a um milhão de kwanzas ao primeiro classificado, ao passo que para o segundo ronda entre os 600 aos 700 mil, devendo o terceiro receber, entre 500 mil a 600 mil kwanzas.

Para a classe tradicional, referiu que os prémios poderão ser determinados entre 400 a 600 mil, do terceiro ao primeiro classificado, enquanto os três primeiros da classe infantil, deverão receber um montante entre 500 e 250 mil.

A organização perspectiva atribuir 50 mil kwanzas, como prémio de melhor rainha, canção e comandante de cada uma das categorias.

Foram vencedores da edição passada os grupos Ovinjenji, do município do Chinjenje, na classe A, Ongonjo, do Longonjo, no desfile tradicional e Rainha do Milho, da Caála, na categoria infantil.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.