Ouvidos pela Angop, a propósito, alguns responsáveis mostraram-se à favor, ao passo que outros discordaram da decisão, alegando custos adicionais para manter os foliões.

Para Sónia Ferreira, responsável do Okutiuka, o adiamento quebra o espirito competitivo dos grupos, lamentando, ainda, o facto da decisão ter sido tomada unilateralmente pela comissão organizadora.

Quem também discorda da decisão é Gabriel Luís Paquissi, do União da Paz, cujo grupo provavelmente compareça desfalcado no desfile, na quarta-feira, por não ter logística suficiente para manter os membros.

Opinião contrária tem o responsável do Bloco dos Kambas, Luís Sousa, por reconhecer que a chuva destruiu a indumentária e os equipamentos sonoros dos grupos.

Já o responsável do grupo Samakaka, Jacinto Cesar, diz entender as motivações para o adiamento do desfile, mas discordou a atitude da comissão organizadora por não ter consultado os grupos.

A decisão do adiamento, para quarta-feira de manhã, foi tomada quando 13 dos 17 grupos concorrentes já tinham desfilado. Faltava, ainda, a exibição dos dois blocos de animação, sem caracter competitivo.