A intenção foi manifestada hoje, no Luena, pelo director provincial da Cultura, António Augusto “Tony Nguxi”, quando procedia ao balanço dos resultados do recém-terminado Entrudo2018, o que considerou de positivo, apesar da sua preparação tardia.

Argumentou que a referida comissão terá como missão principal capacitar, acompanhar, auscultar e validar atempadamente as opiniões dos grupos carnavalescos que visam melhorar o nível de organização do Entrudo na região.

A ideia a ser apresentada e discutida no I Conselho Consultivo da instituição a realizar-se nos próximos tempos, irá sugerir o rigor no cumprimento do regulamento do carnaval, quanto ao número de foliões e os integrantes de cada grupo que devem ser entre 50 e 120 elementos e as respectivas idades.

Diante das dificuldades vividas este ano, a Direcção da Cultura vai aconselhar os grupos carnavalescos para fazerem marketing destinado a captarem patrocinadores locais e estrangeiros.

Pontos de vista dos grupos

O responsável do grupo carnavalesco Exame de Abelha, 5º classificado na classe de adulto, Paulo Salvador Cacoma, referiu que o júri do Entrudo continua a pecar na avaliação que, na sua opinião deve basear-se pelos critérios globais que têm a ver com a dança, canção, corte, painel, comandante, alegoria, falange de apoio, entre outros elementos carnavalescos.

O responsável do grupo que tem nove títulos desde a sua criação, em Março de 1986, recomendou a fiscalização e visitas constantesaos a preparação dos colectivos.

O coordenador do grupo carnavalesco Organizações Luvale, Alberto Caiombo “Bate-Papo”, 2º classificado na classe de adulto, augura que a comissão preparatória e o corpo de jurado passem a avaliar melhor a exibição e demonstração cultural de raiz.

Sugeriu para tal, a valorização dos grupos que apostam, principalmente, na indumentária local a base de folhas, sacos e fibras, assim como o uso de instrumentos musicais rudimentares, tais como batuque, marimba, quissanje, entre outros meios tradicionais.

Já o responsável da segunda agremiação vencedor na classe infantil Os brilhantes do Aço Novo, Jesus Marcolino, apesar de lamentar os valores de prémios entregues aos vencedores, considerou de notável a participação dos foliões.

Enalteceu a ideia da realização no mesmo dia dos desfiles da classe infantil e a de adultos, por permitir cativar maior número de pessoas no Largo 1º de Maio, local onde ocorreu o evento, cujo aglomerado não se via nas edições anteriores.