Em declarações à Angop, a presidente da Padema, a angolana Luzia Moniz, disse que esta edição da FAMA teve como foco a pintura de uma tela que será leiloada e cujos lucros vão se reverter a favor das vítimas dos ciclones Kenneth e Idai, em Moçambique.

Luzia Moniz explicou que a ideia de pintar uma tela surgiu porque sentiram necessidade de serem solidários com Moçambique, mas como são uma organização com fracos recursos ou quase sem recursos financeiros, encontraram essa forma, “no âmbito da comemoração do dia da Mulher Africana que nós celebramos todos os anos por altura do 31 de Julho e fazemos a feira onde temos uma série de valências culturais, incluindo artes plásticas".

A líder salientou que os embaixadores africanos convidados aderiram facilmente e salientou que, todos sem excepção, foram muito receptivos à ideia de participarem nesse projecto solidário.

Na feira, que decorre até domingo, estão expostos obras de artes e literatura, acessórios feminino, gastronomia, desfile de moda e momentos musicais africanos, em particular angolano.

A actividade realiza-se no quadro da comemoração do  Dia da Mulher Africana, que se assinala a 31 de Julho.

A iniciativa contou com a presença das embaixadoras da Argélia em Lisboa, Fatiha Selmane, Suécia, Helena Pilsen, Austrália, Claire Rochecouste, do embaixador da Guiné Equatorial, Tito Mba, entre outros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.