A amostra, que integra retratos de várias personalidades nacionais e estrangeiras, é o resultado da actvidades deste artista dos últimos quatro anos, tempo em que leccionava na Faculdade de Arquitectura em Luanda.

Segundo Francisco Vidal tenta-se passar, nesta exposição, a imagem de uma Angola contemporânea, um país composto por vinte oito milhões de habitantes, que necessita da atitude e trabalho de todos.

Acrescentou ainda que o trabalho retracta igualmente um pouco da estigmatização que muitas pessoas ainda sofrem, nos dias de hoje,  por ter uma coloração de pele mais escura ou mais clara.

Nestes trabalhos o artistas utilizou técnicas como serigrafias e fotografias em matérias como acrílico sobre tela, óleo sobre tela e os  temas “Mulher angolana preta”, “Mulher angolana mulata", "Mulher angolana branca" e "Katinga".

A exposição “ Nova Angola “ fica no Memorial António Agostinho Neto até o dia 31 de Dezembro deste ano.

O artista tem no seu repertório exposições individuais e colectivas no país e no estrangeiro, dentre as quais “Utopia Luanda Experience - Arquitectura da Paz”, Baginski Gallery, Lisboa, Portugal, e “Água e Luz”, Instituto Camões, Luanda, Angola.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.