O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou no passado sábado que vai responder pessoalmente em nome do rapper norte-americano ASAP Rocky, detido na Suécia depois uma briga no dia 30 de junho.

No Twitter, Trump revelou que conversou com Stefan Lofven, primeiro-ministro sueco, que garantiu que o cantor teria um acordo justo. "Assegurei que ASAP não fugiria e ofereci-me para responder pessoalmente como garantia pela sua fiança, ou uma alternativa", escreveu Trump.

Na Suécia, no entanto, não existe a possibilidade de ser libertado sob pagamento de fiança.

Seguidores do cantor, outros artistas e membros do Congresso pediram a libertação do rapper de 30 anos, cujo nome real é Rakim Mayer.

Os promotores suecos têm até o dia 25 de julho para apresentar as acusações contra o artista ou libertá-lo, após o tribunal de Estocolmo atrasar o prazo, originalmente previsto para a última sexta-feira.

Trump, que interveio neste caso a pedido do rapper Kanye West e da sua esposa Kim Kardashian, disse ainda que combinou conversar novamente com o primeiro-ministro sueco.

O Ministério Público da Suécia avançou que o cantor foi detido depois da briga, suspeito de agressão com agravante, com outras três pessoas, duas delas acusadas de agressão com agravante e uma de agressão.

A$AP Rocky, nascido em Nova Iorque, lançou o primeiro álbum em 2013, "Long. Live. ASAP".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.