A obra, composta de 31 poemas  e uma tiragem de mil exemplares,  faz alusão à poesia cultural com alguns termos na língua Kikongo, bem como utiliza alguns trechos das músicas de Teta Lando, sendo de um valor monumental para a sociedade.

O laureado recebeu um diploma e um cheque no valor de um milhão e 963 mil Kwanzas da administração do Banco de Poupança e Crédito (BPC), patrocinador do concurso.

Presente no acto, o secretário de Estado da Cultura para as Indústrias Culturais e Criativas, João Constantino, disse que o prémio constitui um acto importante no âmbito das acções programadas pelo seu sector, visando à criação literária e também à promoção da leitura, à luz do processo de acompanhamento e implementação da política nacional do livro e da leitura.

Ressaltou que o legado de António Jacinto tem servido de mola impulsionadora para muitos participantes, contribuindo quer para o surgimento de novos autores, quer para o enriquecimento do universo simbólico e do imaginário angolano.

João Constantino referiu que o prémio atribuído a Emanuel Vieira Cambulo, da província do Zaire, ressalta a participação das províncias o que é animador.

Por seu turno, Emanuel Vieira Cambulo sente-se satisfeito e agraciado pelo prémio que reflecte a questão cultural, dos provérbios e da musicalidade da tradição Bakongo, por ser natural do Zaire.

“Pretendo com a obra levar a cultura local para mais longe, especialmente para a juventude, pois  há muita gente que não sabe da nossa cultura, por isso é preciso que todos tenham noção o quanto vale o que é nosso”, referiu.

Já o administrador do BPC Victor Cardoso referiu que, desde a implementação do Prémio Literário António Jacinto, já patrocinaram 22 obras e reiterou a continuidade neste processo para incentivar o surgimento de novos autores.

Emanuel Vieira, de 30 anos, é técnico médio em Ciências Humanas, curso através do qual viria a descobrir sua veia artística. É membro fundador do Movimento Literagris e representante do mesmo na sua província.

O Prémio Literário António Jacinto visa incentivar o surgimento de novos autores e novas obras literárias de angolanos.

O prémio é de periodicidade anual em homenagem ao Poeta António Jacinto do Amaral Martins, um dos grandes vultos das Letras e da Cultura Nacional.

Em 2018 o vencedor foi Oliver Quiteculo, com a obra "Mahamba".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.