De acordo com o comunicado, a exposição "Panorama" é a primeira exposição individual de Mónica de Miranda a ser exibida em Angola e a mostra integra peças de fotografia, vídeo e instalação, algumas delas inéditas. O âmbito do trabalho da artista engloba temáticas relacionadas com as geografias afectivas, poéticas de pertença e os processos de construção da identidade. Paula Nascimento, curadora, refere que "a exposição explora os conceitos urbanos de Luanda, do passado e do presente, e as peças abordam traços da memória, da história e da Diáspora angolana".

Exposição

Angola é uma das geografias afectivas de Mónica de Miranda e Panorama marca o seu regresso à paisagem urbana de Luanda, cujas marcas do passado estão materializados no espaço arquitectónico - edifícios abandonados, reaproveitados, engolidos pela natureza ou transformados pelos processos de gentrificação  e são testemunhos da história recente do País. Resquícios dos diferentes intervenientes políticos, económicos e sociais são visíveis e materializados na morfologia das cidades, é o que as torna singulares. E é também nestes espaços que se desenham novas relações de identidade, cada vez mais distintas e singulares, fruto da acção da memória de diferentes grupos sociais.

São estas topografias de tensão entre o passado presente e um presente incerto, com as descontinuidades espácio-temporais típicas dos lugares trans-históricos (pós-coloniais) que servem de ponto de partida para o projecto de investigação pós-arquivo de Mónica de Miranda. É também aqui que se desenvolve um processo crítico de desconstrução histórica e de releituras da memória colectiva angolana.

Exposição
Exposição "Panorama"

Sónia Ribeiro, Fundadora da This is Not a White Cube Gallery, afirma que  " É um enorme orgulho para a TINAWC poder realizar e trazer para o país a primeira exposição individual da Mónica de Miranda em Angola. A artista, ela própria da diáspora angolana, é já uma referência a nível internacional e foi um desafio que se concretizou, também, graças ao apoio e visão do Banco Económico. O projecto em Angola é uma derivação mais aprofundada do “Panorama” exibido em Londres, em 2017, e que tem vindo a ser trabalhado desde então para esta edição. A TINAWC entendeu que a Galeria do Banco Económico é um espaço representativo da arquitectura actual de Luanda e reúne todas as condições para a realização e mostra expositiva".

Já Henda Teixeira, Administradora do Banco Económico, conclui: " Esta exposição é a última actividade cultural do banco, em 2018. Ao longo deste ano, a Galeria Banco Económico acolheu mais de uma dezena de eventos, incluindo diversas mostras de arte nacionais e internacionais. Os projectos culturais do banco integraram diferentes temas e formatos - exposições, ciclos de cinema, debates, recitais, tertúlias temáticas e eventos inovadores- que o Banco Económico desenvolveu em linha com o seu compromisso de divulgação e promoção da arte e da cultura, em Angola. Consideramos os resultados obtidos nesta área muito positivos e acreditamos que está atingido o objectivo de posicionar a Galeria Banco Económico como o espaço expositivo de referência, no panorama cultural angolano".

Mónica  De Miranda, vive e trabalha entre Lisboa e Luanda. Artista e investigadora, o seu trabalho é baseado em temas de arqueologia urbana e geografias pessoais. Licenciada em Artes Visuais pela Camberwell College of Arts, (Londres, 1998), Mónica é fundadora do projecto de residências artísticas Triangle Network em Portugal e fundou, em 2014, o projecto Hangar Centro de Investigação Artística, em Lisboa.