A governante, que falava na sessão de encerramento do VI Conselho Consultivo Alargado do sector, avançou que este desiderato contribuirá igualmente para o reforço do processo de internacionalização da marca Angola, conjugando com acções ligadas a diplomacia cultural e o intercâmbio com os demais países.

Para Carolina Cerqueira, os angolanos, em geral, e os quadros do sector, em particular, têm o compromisso e o dever de promoverem acções constantes de valorização da angolanidade, com a paz e o desenvolvimento sustentável.

A ministra exortou os quadros do sector a tudo fazerem para levantar cada vez mais alto a bandeira angolana através da cultura, demonstrando em todos os fóruns em que participarem o valor e a riqueza da cultura angolana.

Por seu turno, o governador de Cabinda, Eugênio Laborinho, destacou o facto de a província ter tido a oportunidade de mostrar o que de melhor tem em termos culturais e a hospitalidade do seu povo.

Eugênio Laborinho augurou dias melhores para o sector cultural, manifestando disponibilidade em apoiar sempre que necessário e dentro das possibilidades do seu governo.

Com a participação de quadros do sector e convidados do ministério, entre os quais a ministra do Turismo, Ângela Bragança, o ministro da Cultura de Cabo Verde,  Abraão Vicente, o evento serviu também para uma abordagem sobre a problemática da proliferação do fenómeno  religioso, o papel das autoridades e instituições do poder tradicional  na promoção das autarquias e o redimensionamento dos serviços culturais.

Durante três dias, os quadros do sector cultural, passaram ainda em revista questões ligadas ao património e turismo cultural, a municipalização dos serviços culturais, o desenvolvimento da indústria cultural.

O programa incluiu igualmente uma mesa redonda ministerial sob moderação da ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, e visitas a locais turísticos e culturais.