J. K. Rowling, autora da saga "Harry Potter", foi novamente protagonista de uma polémica nas redes sociais. Na sua conta no Twitter, a escritora britânica partilhou um artigo de opinião sobre "a criação de um mundo mais igualitário para pessoas com menstruação depois da COVID-19".

"Tenho a certeza que costumava haver um nome para essas pessoas. Alguém que me ajude. Wumben? Wimpund? Woomud? [referindo-se a mulheres, em português]", escreveu a escritores, chamando a atenção para expressão "pessoas com menstruação", citada no artigo de opinião.

De imediato, as críticas ao comentário de J. K. Rowling multiplicaram-se, sendo especialmente mal recebido pela comunidade LGBTQ, que respondeu à escritora britânica lembrando que que pessoas transgénero e não-binárias também podem menstruar.

"Se o sexo não é uma realidade, não há atração pelo mesmo sexo. Se o sexo não é uma realidade, a realidade vivida pelas mulheres no mundo é eliminada. Conheço e adoro pessoas transexuais, mas acabar com o conceito de sexo retira a capacidade de muitos para discutir aprofundadamente as suas vidas. Não é ódio dizer a verdade", respondeu a autora.

"Marcharia convosco se fossem discriminados contra os princípios de serem transexuais. Ao mesmo tempo, a minha vida sempre foi moldada por ser mulher. Não acredito que seja odioso dizer isto", acrescentou J. K. Rowling depois de ser acusada de transfobia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.