Essa advertência foi feita hoje, terça-feira, pelo director provincial da Cultura do Bié, Isaac Santos, em declarações à Angop, na cidade de Saurimo, tendo asseverado que os promotores que não legalizarem as festas e serem autuados pelas autoridades poderão responder em tribunal por tais infracções.

Lembrou que as inscrições para a legalização das festas de fim de ano começaram em Novembro desse ano, mas até ao momento apenas duas festas estão registadas.

Aconselhou os promotores das festas de réveillon a dirigirem-se às administrações municipais ou à Direcção Provincial da Cultura do Bié para legalizarem os eventos.

Anunciou que a partir do dia 28 deste mês uma comissão multissectorial criada pelo governo local vai começar a fiscalizar os recintos do evento a nível da província do Bié.

Frisou que a legalização das festas permite garantir maior segurança do evento, através de rondas do efectivo da Policia Nacional e do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros.

A legalização de festa de réveillon está previsto no Decreto Presidencial 111/11, documento que orienta ainda o sector da Cultura a levar os infractores, em 24 horas, ao Ministério Público para serem responsabilizados criminalmente.

Em 2016 foram autorizadas na província do Bié 18 festas de final de ano.