Em declarações  á Angop, no Aeroporto Internacional 4  Fevereiro, o artista  referiu que se trata de um conjunto de obras (essencialmente fotografias documentais), concebidas ao longo de 2018 e do presente ano, reflectindo a angolanidade.

“Esse trabalho encerra uma forte componente experimental e de investigação, com incidência no desenvolvimento de novos meios de produção técnica, de suporte e de apresentação, bem como de encenação através de imagens”, explicou Luís Damião.

Nascido em Luanda, em 1978, numa família com fortes raízes artísticas, Luís Damião envolveu-se desde cedo no mundo da arte e da cultura como autodidacta, inspirando-se no pai – o fotojornalista angolano Paulino Damião “Kota 50”.

É irmão do artista plástico Lino Damião, tendo-se apresentado publicamente (em 2002), pela primeira vez, através do projecto artístico colectivo “Art & Moda” (pintura, escultura e moda), no Espaço Cultural Elinga.

Em Novembro, representou Angola na 12ª edição da Bienal Africana de Fotografia “Rencontres de Bamako”, na capital do Mali, juntamente com artistas/fotógrafos de mais de cinquenta países do continente africano, com o tema “Mohamed Aqui”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.