Os refugiados que se encontram no campo do Lóvua desde Maio de 2017, fruto dos conflitos étnicos e políticos na RDC nesta época, vão neste desfile apresentar-se com as suas danças e músicas tradicionais.

De acordo com a directora do gabinete provincial da Cultura na Lunda Norte, Esmeralda Maximata, o grupo de refugiados terá o apoio material e financeiro do escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A inclusão dos refugiados no desfile, como concorrentes, visa enaltecer os ritmos e danças tradicionais africanas.

Por outro lado, informou que na presente edição prevê-se o aumento de número de grupos a concorrer em ambas as classes (infantil e adultos), bem como a melhoria dos prémios para os primeiros classificados, sem contudo avançar detalhes.

Na edição passada, o desfile provincial contou com a participação de 30 grupos, sendo 14 infantis e 16 adultos, tendo o primeiro classificado recebido 300 mil kwanzas.

O grupo carnavalesco Brilho da Lunda, do município do Chitato é o actual vencedor do Entrudo na classe de adultos, em infantis o grupo Mweseke Utale.

Os grupos carnavalescos na Lunda Norte apresentam-se maioritariamente com as danças txianda, txissela, kalukuta, kandowa, makhopo, maringa, kandjendje, likembe, canga, kasebu, entre outras, apoiadas por uma variedade de instrumentos músicas tradicionais como o Ngoma (tambores/batuque) thcingunvu, ndjimba, tchissanje, muiyemba.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.