O romance, lançado pela editora Alupolo proporciona, nas suas 161 páginas, uma viagem ao quotidiano angolano, com referências para a província de Luanda (Cazenga) e Cabinda, onde os protagonistas aprendem a lidar com a dor, a desilusão, amarguras do passado e o ressentimento do presente.

Nesta obra envolvente de paixão, que corrompe a moralidade, a história envolve inúmeras promessas, tristezas não eternas e uma constante oscilação entre o doce e o amargo, levando a autora retratar o quotidiano da vida real.

Segundo a apresentadora do livro, a escritora Lueji Dharma, a obra retrata a realidade das províncias de Luanda (Cazenga) e Cabinda, contada, numa voz feminina.

Considerou que tenta resgatar aqueles que não têm voz, colocando assim “Ressurreição” dos que já estão mortos no alcoolismo, nos boatos, difamação, falta de sonhos, oportunidade.

“Ressurreição vem dizer que ainda há esperanças”, referiu.

Para a autora, a obra relata situações do quotidiano angolano, onde narra a resiliência de um jovem que vive situações desagradáveis.

“É uma história sobre aquilo que a vida pode nos oferecer e o que podemos ir a luta”, referiu.

Quanto a escolha do município do Cazenga no retrato da sua história, Helena Dias referiu que é um município totalmente marginalizado, mas que guarda em sim grandes narrativas positivas de superação.

Sobre a autora

Helena Dias nasceu em Luanda aos 19 de Fevereiro de 1991. A escritora é também professora, consultora de comunicação, declamadora, contadora de histórias e apaixonada por arte.

É membro do movimento artístico literário Lev’arte e da União Brasileira de Escritores – UBE. Em 2016 participou da antologia poética feminina “O Canto da Kianda”, em 2019 participou da antologia de escritoras negras de África e do Brasil “Negras de lá, Negras daqui” e da antologia “A Poesia Multicultural”.

Tem participação em eventos internacionais como é o caso da Bienal do livro, intercâmbios culturais entre países africanos e comunidades afrodescendentes e recentemente o FESCALA - Festival de Cinema, Arte e Literatura Africana.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.