Em declarações à Angop, o artista, residente em Luanda, disse que o trabalho é inspirado na luta e causa das mulheres africanas e angolanas, em especial, e uma chamada de atenção para sociedade cuidar melhor do universo feminino.

O artista, que coleciona cerca de 100 quadros, defende que “educar uma mulher é educar uma nação”, daí ter surgido a ideia de apoiar o processo de empoderamento feminino no continente e país, através da arte.

No entanto, Landu João Makanda lamenta a falta de patrocínio, principalmente para apoiar a sua deslocação para outras províncias a fim de mostrar o seu trabalho a mais pessoas.

De acordo com ele, os quadros estão avaliados desde os quinze mil até os cem mil kwanzas e nas feiras onde passa tem vendido cerca de dez quadros com temas variados.

Garantiu ainda que tem feito enorme esforço para ser reconhecido e ser convidado para fóruns internacionais, patamar que ainda não atingiu até ao momento.

Questionado sobre a técnica que usa para retratar a mulher, o artista plástico apontou a pintura com óleo sobre a tela, a tinta acrílica,  massas e pano.

Landu Makanda, de 31 anos, conta já com quinze anos de profissão e trabalha com três ajudantes. Tem sido convidado principalmente em feiras realizadas em Luanda como Feira Afro do Patriota, Feira do Talatona e Feira Internacional de Luanda (FIL).