Esta posição foi defendida à Angop pelos cantores de Moçambique hoje, terça-feira, em Luanda, no âmbito da troca de parceria no domínio da música.

Segundo Nuno Abdul, para além de cantar tem procurado aprender com os angolanos e o seu povo à sua maneira de ser e estar, bem como transmitir tudo sobre a cultura de moçambique.

Para o artista, o projecto Team de Sonhos, pela parte angolana, e o Geração de Ouro, Moçambique estão estão a ultrapassar barreiras e a enquadrar nos seus projectos artistas de outros países.

Apesar de os dois povos terem culturas diferentes e ritmos musicais totalmente opostos, combinam bem, o que faz com que seja uma mais-valia nos espectáculos.

Por sua vez, a artista Mimae reconheceu que o público de Luanda é bastante caloroso, o que combina com a alegria e a energia dos cantores moçambicanos.

Para si, esse casamento entre os artistas angolanos e moçambicanos é benefica por permitir que cada artista mostre algo de novidade ao outro, permitindo assim conhecer mais por dentro a cultura e o modo de viver de cada nação.