Depois da morte de George Floyd, nos Estados Unidos, artistas, editoras, rádios e serviços de streaming de música juntaram-se no movimento "The Show Must Be Paused" ("o espetáculo tem de ser interrompido") e vão estar em "silêncio" esta terça-feira, dia 2 de junho. A acção tem como objetivo mostrar solidariedade para com a comunidade afro-americana.

Em comunicado, o Spotify frisa que apoia "os funcionários, amigos, parceiros, artistas e criadores na luta contra o racismo, a injustiça e a desigualdade". "Estamos a usar o poder da nossa plataforma para apoiar os criadores de negros, dar eco às suas vozes e acelerar conversas significativas e mudanças há muito necessárias. Como resultado, vão reparar em algumas alterações no Spotify esta terça-feira", explica a plataforma.

Uma das mudanças mais visíveis é nas imagens de capa de várias playlists e podcasts, incluindo a lista Top Hits e todas dedicadas ao R&B. "O Spotify também decidiu fazer uma pausa nas publicações nas redes sociais", acrescenta o comunicado, que com a playlist Black Lives Matter - a lista conta com 55 canções de dezenas de artistas.

"As listas de reprodução e podcasts selecionados também contam com uma faixa de oito minutos e 46 segundos de silêncio como um reconhecimento solene pelo período de tempo em que George Floyd foi sufocado", explica o Spotify. De acordo com a queixa, o polícia Derek Chauvin  teve o joelho no pescoço do afro-americano durante 8 minutos e 46 segundos até que este deixou de responder.

"Agora não é hora de silêncio, e o Spotify está ao lado da comunidade negra. À medida que nosso apoio continua a evoluir, esperamos que essas etapas e ações iniciais ajudem a impulsionar conversas, promovam uma aliança mais profunda e conduzam a mudanças positivas e duradouras", sublinha o serviço de streaming.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.