O “Homem do Rangel”, que com os temas “Ramiro” e “Avó Teté” toca corações e agita pistas em todo o país, e além-fronteiras, respondeu com satisfação e surpresa ao chamado de Puto Português ao grande palco, minutos depois de ter convidado a banda a parar, para dedicar um discurso de agradecimento a uma incontornável figura do estilo Semba. Ainda para colorir o momento, em parceria com os anfitriões da noite, o Givago espalhou magia e fez vibrar a plateia numa interpretação dos seus clássicos.

“Escapei de morrer sem ser homenageado, já estou mesmo na curva (risos). A música ‘Velha Xica’ diz ‘Já posso morrer. Já vi Angola independente’, portanto, agora eu digo: ‘Já posso morrer, já fui homenageado’. Agradeço à Zona Jovem Produções por essa iniciativa, estou muito feliz por essa homenagem”, declarou em jeito de gratidão o respeitado artista de 64 anos, após ter auferido um troféu de reconhecimento.

Givagp

De relembrar que Givago, que nasceu na província de Luanda, teve a sua estreia no mundo da música em 1977, no Namibe, quando integrou o grupo musical “Bentiaba Show”. Anos depois, mais propriamente em 1983, abraçou o composto “Fenomenal”, enveredando posteriormente por uma carreira a solo. Porém, foi em 1989 que gravou “Ramiro”, aquele que viria a ser o seu maior sucesso no palco da música angolana.

Givago

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.