Segundo Kyaku, o facto de o país não dispor de critérios para classificar a qualidade do trabalho produzido pelos artistas coloca todos no mesmo patamar, o que os tem impossibilitado de ver mensurada a excelência e potencial da sua arte.

“Quando me refiro à qualidade, falo daqueles que, do ponto de vista artístico, são considerados ‘artistas completos’ e também dos que são considerados animadores, só que Angola não tem critérios de classificação de artistas de qualidade, ou seja, estamos todos no mesmo padrão, não existem artistas de Classe A, B ou C”, afirmou o autor dos sucessos “Bibi”, “Mônica” e “Lola”.

Ainda durante a conversa, o SAPO convidou o artista a tornar público o seu conceito de qualidade. Sem hesitação, este respondeu: “Quando falo de qualidade falo de boa voz, boa composição e acima de tudo de continuidade. A minha produtora traz bons cantores mas infelizmente não vai mudar o cenário, pois estamos todos nele. Contudo, prometemos apostar em artistas que apresentem um trabalho bom e contínuo”, acrescentou.

Embora seja membro integrante da LS Republicano, Kyaku Kyadaff, que é vencedor da última edição do TOP dos Mais Queridos, revelou recentemente a sua veia empreendedora e apresentou ao mercado a “Gira Disco”, seu próprio conceito de produtora que já trabalha com músicos como Manuel Júnior, Jojo Gouveia e Lumony.