Ciente do grau de dificuldade de algumas interpretações, Jey V confessou ao SAPO que gostaria de conseguir imitar astros como Chris Brown e Michael Jackson. O músico admitiu ainda que não tinha bem a noção do grande processo que acontece por “detrás das cortinas”.

“Está a ser uma experiência boa e um pouco desgastante - eu não tinha noção -, mas engrandecedora também, no que concerne à própria música, representação e partilha de experiências, é uma equipa fantástica. Interpretar outros artistas é até então o meu maior desafio. É difícil desconstruir a personagem que já és para dar vida a uma outra”, contou.

Por outro lado, Irina França, que escolheu a palavra “Top” para descrever a experiência, classificou o desafio como “muito bom” no sentido em que retira os artistas da sua zona de conforto e convida-os a explorar um lado mais versátil.

“Estou a conhecer artistas novos e acho que destas conexões vão surgir mais trabalhos e oportunidades. O facto de podermos conviver o dia inteiro é sem sombra de dúvida a melhor parte de tudo isto”, frisou.

Já Kataleya, que vai usar as componentes “imitação, interpretação e caracterização” para explorar o seu poder de representação, contou que nunca antes imaginou que pudesse viver tal experiência, e usou a expressão “uau” para descrever a magia do programa.

“Está a ser Uau... Eu não sabia o que esperar quando aceitei o convite, mas fiquei feliz com a ideia de interpretar e ‘encarnar’ grandes ícones da música, acreditem, estou a divertir-me imenso. Estou também a puxar um pouco mais pelo meu ‘lado actriz’, gosto imenso de representação”, contou a artista que lançou recentemente o videoclip “Girinha”.

Para finalizar, Lialzio Almeida, que tem dado corpo a personagens em novelas do canal português TVI e que há muitos anos não mantinha uma relação de proximidade com a música, descartou o lado competitivo e fez questão de realçar a parte prazerosa da iniciativa.

“Embora tenha um lado competitivo - que é positivo também – posso dizer que esta está a ser uma experiência prazerosa. Voltar a lidar com a música, e ainda mais ao lado de artistas que fazem dela o seu dia-a-dia, está a ser óptimo. A caracterização é a parte chave, muito perto do real, às vezes nem eu mesmo acredito... A equipa está a fazer um excelente trabalho”, contou a actor que embora esteja a esforçar-se ao máximo, admitiu não ser um bom intérprete.

De relembrar que Laton, Tânia Burity e Sílvio Nascimento foram as figuras do showbiz escolhidas a integrar o corpo de jurado e avaliar as interpretações e imitações desta temporada.

“A Tua Cara Não Me é Estranha” é um formato internacional, presente em mais de 40 países, e desafia caras conhecidas a recriar, caracterizados a rigor, a performance de diferentes artistas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.