A morte foi confirmada por Miguel Falabella, amigo do ator e da sua mulher, a escritora Maria Carmem Barbosa.

“Querido D’artagnan, obrigado pelas gargalhadas, pelos bons momentos que passamos juntos. Finda-se uma era. Que bom que Maria Carmem não pode atravessar a dor dessa perda. Ela não suportaria. Até breve! RIP”, escreveu Falabella no Instagram.

A causa da morte não foi revelada, mas de acordo com a imprensa brasileira, D’Artagnan Júnior tinha hepatite C e sofria de pancreatite.

A carreira do ator desenvolveu-se sobretudo na televisão, a partir de 1978, quando participou em "A Sucessora", da Globo. "Maçã do Amor" (1983), "Onda Nova" (1983) e "Anjos da Noite" (1987) foram outros dos primeiros projetos de um percurso que passou ainda por "Cara & Coroa" (1995), "Salsa e Merengue" (1996) ou "New Wave" (1998). "Insensato Coração" (2011) e "Aquele Beijo" (2011) tinham sido as telenovelas mais recentes nas quais participou.

No grande ecrã, D’Artagnan Júnior integrou o elenco de filmes como "O Vampiro de Copacabana" (1976), "Anjos da Noite" (1987), "Minha Vida em Suas Mãos" (2001) ou "Apolônio Brasil, Campeão da Alegria" (2003).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.